16 de set de 2016

Os Benefícios do Vinho






O vinho é fundamental na vida de muitos brasileiros, principalmente nas regiões que tiveram colonização italiana, sendo que a bebida faz parte da culturalocal. Muito antes disso, egípcios, gregos e romanos utilizavam essa bebida em sua dieta, inclusive já com uma certa ideia de que o seu consumo poderia trazer benefícios a saúde. Os gregos, há cerca de 3.000 anos, representam a primeira civilização conhecida a realizar o uso terapêutico de vinho, visto que em sua cultura se acreditava ser um presente dos deuses1.
Recentemente os potenciais benefícios terapêuticos do vinho vem ganhando força, sendo tratado amplamente pela imprensa. É dito que o vinho traz diversos benefícios como atividade anti-inflamatória, neuroproteção em muitas doenças neurodegenerativas e até mesmo redução no risco de desenvolvimento de doenças coronarianas e câncer2. O principal agente dito responsável por tais efeitos é um polifenol presente na bebida: o resveratrol.

Mas o quão esse efeito é realmente considerável?

Em uma metanálise de ensaios clínicos randomizados, Liu e colaboradorestestaram os feitos do resveratrol na diminuição da pressão sanguínea. Pacientes que receberam resveratrolisolado por no mínimo 2 semanas foram comparados com grupo controle onde a diferença tenha sido apenas a ingestão de resveratrol.Os resultados apontaram que oresveratrol não diminuiu a pressão sanguínea sistólica ou diastólica, mesmo considerando a interferência do IMC, dose de resveratrol e duração de estudo3.
Emuma meta-análise de estudos de coorte, Huxley & Neil (2003) verificaram que o consumo elevado de flavonol na dieta, outro elemento importante presente não apenas no vinho, mas também em alguns tipos de chás, frutas e vegetais, resultou em um menor risco de doenças coronarianas. O chá verdee preto foramas principais fontes de flavonol no grupo de maior consumo diário da substância; frutas e vegetais, como uvas, amendoins, morangos, brócolis e cebola, nos grupos de menor consumo.O estudo, entretanto, admite diversas limitações como a interferência de outros fatores nos resultados (classe social, atividade física, tabagismo), o auto-relato que pode ter alterado as relações propostas, e outros elementos da dieta (gordura, colesterol, calorias totais) que podem explicar a diminuição de 20% no risco de desenvolvimento de doenças coronarianas4.
Em outra revisão,Woo & Kim (2013)não encontraram qualquer relação entre o consumo de flavonóides e redução no risco de câncer gástrico ou coloretal, embora sugira uma fraca associação inversa quando analisadas subclasses de flavonóis separadamente5. Cabe destacar que o álcool está presente normalmente em concentrações de 10 a 14 % em vinhos de mesa2, sendo considerado um dos principais vilões no desenvolvimento de câncer gástrico. Em outro estudo, foi verificado que a ingestão de cerveja e licores contribuiu positivamente para o desenvolvimento de câncer gástrico, mas vinho não6.
Diante desses achados, questiona-se a grande propaganda que se faz para o uso de suplementação de resveratrol para prolongamento da expectativa de vida, redução de risco de doença coronariana e câncer. Ainda assim, o flavonol parece ser um potencial alvo para novas pesquisas que visam investigar não apenas os potenciais benefícios do vinho, mas também de outras bebidas como os chás verde e preto, e frutas e vegetais, mencionadas anteriormente.

Texto elaborado por Gustavo F Marcowich
Revisado por Professora Tatiane da Silva Dal Pizzol

1.     Estreicher, S.K. Wine from neolithic times to the 21st century. Algora. New York. Algora Publishing. 2006. Disponível em: https://vinumvine.files.wordpress.com/2012/02/stefan-k-estreicher-wine-from-neolithic-times-to-the-21st-century.pdf
2.     Dermarderosian A.;Beutler, J. A. (Ed) The Review of Natural Products: the most complete source of natural product information. 7. ed. St. Louis: Facts and Comparisons, 2012.
3.     Liu Y, Ma W, Zhang P, He S, Huang D. Effect of resveratrol on blood pressure: a meta-analysis of randomized controlled trials. ClinNutr. 2015 Feb;34(1):27-34. doi: 10.1016/j.clnu.2014.03.009. Epub 2014 Mar 31
4.     Huxley RR, Neil HA. The relation between dietary flavonol intake and coronary heart disease mortality: a meta-analysis of prospective cohort studies. Eur J Clin Nutr. 2003 Aug;57(8):904-8.
5.     Hae Dong Woo and Jeongseon Kim. Dietary flavonoid intake and risk of stomach and colorectal cancer. World J Gastroenterol. 2013 Feb 21; 19(7): 1011–1019.
6.     Fang X, Wei J, He X, An P, Wang H, Jiang L, Shao D, Liang H, Li Y, Wang F, Min J. Landscape of dietary factors associated with risk of gastric cancer: A systematic review and dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. Eur J Cancer. 2015 Dec;51(18):2820-32. doi: 10.1016/j.ejca.2015.09.010. Epub 2015 Nov 14

Nenhum comentário: