18 de jul de 2013

Contracepção de Emergência



Os comprimidos para contracepção de emergência são compostos por hormônios concentrados utilizados por curto período de tempo, que atuam na suspensão da ovulação e na migração do esperma, nos dias seguintes à relação sexual. A indicação é restrita a situações especiais, incluindo: relação sexual sem uso de método anticoncepcional, falha conhecida pelo uso inadequado do método contraceptivo de rotina e violência sexual. É o único método contraceptivo a ser utilizado após a relação sexual. Seu uso cresceu consideravelmente no Brasil, entre 1996 e 2006, segundo Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS). Em 2006, 12% das mulheres de 15 a 49 anos afirmaram ter usado esse método, cuja adesão teve maior representatividade na faixa etária de 20 a 24 anos (18,5%), e 10,4% entre mulheres 15 a 19 anos.
A anticoncepção de emergência emprega dose única de 1,5mg de levonorgestrel que mostra a mesma eficácia de duas doses de 0,75mg a cada 12 horas, sem aumentar os efeitos adversos. A administração até 120 horas após arelação sexual ainda confere proteção, embora quanto maior o tempo decorrido, menor seja o efeito protetor. A administração até 72 horas, de qualquer um dos métodos, leva a menor ocorrência de falhas. A utilização de métodos de contracepção de emergência deve ser ocasional e não empregado de forma regular, pois há métodos mais eficazes para uso rotineiro. Entretanto, há evidências de que o método está sendo usado repetidamente, principalmente por mulheres com intercursos esporádicos. Mais recentemente, vários estudos demonstraram que uso de levonorgestrel é mais eficaz do que o método Yuzpe, que emprega etinilestradiol (100 mcg) e levonorgestrel (0.5 mg) combinados em altas doses. Existem outros hormônios que podem ser utilizados em contracepção de emergência, mas o levonorgestrel e método Yuzpe são os mais comuns.
Nas Unidades Básicas de Saúde do Brasil, não é exigida receita médica para a dispensação de levonorgestrel em comprimidos de 0,75 mg. Dessa forma, os enfermeiros podem disponibilizar a contracepção de emergência na ausência do médico, orientando e encaminhando a usuária às ações de planejamento reprodutivo. A contracepção de emergência é bastante útil para prevenir a gravidez indesejada, porém seu uso deve ser restrito por induzir efeitos adversos, como náusea e vômito, com maior frequência e oferecer menor eficácia anticoncepcional se comparada com os contraceptivos convencionais, além de que o uso repetitivo diminui a sua eficácia, não sendo, portanto, um método a ser adotado como de rotina.
O CIM-RS sugere a leitura do Protocolo para Utilização de Levonorgestrel, publicado pelo Ministério da Saúde em 2012, o qual dispensa a apresentação de prescrição médica para a dispensação desse medicamento. Confira o protocolo na íntegra aqui.
Também sugerimos a leitura do Guia sobre Contracepção de Emergência publicado pela Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) para maiores esclarecimentos sobre o uso correto e seguro de métodos contraceptivos de emergência para profissionais de saúde. Para acessar o conteúdo do guia, clique aqui.

Boa leitura,
Equipe CIM-RS.

Nenhum comentário: