24 de set de 2013

Segurança cardiovascular dos AINEs


Os anti-inflamatórios não-esteroides (AINE) possuem propriedades analgésica, antitérmica, anti-inflamatória e antitrombótica. Atuam reduzindo a síntese de prostaglandinas pela inibição das cicloxigenases (COX-1 e COX-2), podendo atuar em ambas (não-seletivos), ou seletivamente na COX-2.  São medicamentos para tratamentos sintomáticos,  e não interferem com a história natural das doenças inflamatórias.
Seu uso é muito difundido em todo o mundo e, muitas vezes, é empregado de forma equivocada em situações em que há dor predominante, sem sinais clínicos de inflamação, na crença de que o efeito analgésico dos AINE seja superior ao de simples analgésicos. No entanto, em doses únicas, AINEs tem a mesma eficácia analgésica que paracetamol.
A eficácia entre os diferentes AINEs é semelhante, entretanto, as respostas individuais podem variar, principalmente quanto a incidência de efeitos adversos. Por exemplo, os inibidores seletivos de COX-2, denominados coxibes, apresentam menos efeitos gastrintestinais, porém o risco cardiovascular é maior. Uma vez que a eficácia é similar, a escolha deve basear-se em outros critérios: condições clínicas do paciente, toxicidade relativa, conveniência para o paciente (número de administrações diárias), custo e experiência de emprego.
A Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitários publicou nota informativa abordando o risco cardiovascular dos seguintes AINEs: naproxeno, ibuprofeno e diclofenaco. De acordo com a nota, naproxeno é o que apresenta mais problemas gastrintestinais, porém diclofenaco possui maior risco cardiovascular que os outros. Para mais informações, acesse a nota informativa clicando aqui.
Recomendamos, também, a leitura do informativo do Ministério da Saúde “Uso Racional de Medicamentos – Temas Selecionados nº 05”, sobre o uso racional de anti-inflamatórios não esteroides. Boa leitura,

Equipe CIM-RS.

Fontes: 
- BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário terapêutico nacional 2010: Rename 2010 / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.
- BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.
- WANNMACHER, L. Antiinflamatórios e Medicamentos Utilizados no Tratamento da Gota. In: BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário terapêutico nacional 2008: Rename 2006 / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 
- SCHENKEL, E. P.; MENGUE, S. S.; PETROVICK, P. R. Cuidados com os Medicamentos. 5. ed. ver. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012. 
- BATLOUNI, M. Anti-inflamatórios não esteróides: efeitos cardiovasculares, cérebro-vasculares e renais. Arq Bras Cardiol 2010;94(4): 556-563.

Nenhum comentário: